Mont Saint-Michel e La Rochelle

18 03 2010

Continuando os relatos da viagem de inverno. Em Nantes, na segunda, alugamos um carro para fazer duas viagens interessantes: Mont Saint Michel e La Rochelle. A ideia era ir um dia em cada um dos locais, que ficam em torno de 2 horas de carro de Nantes, valendo a pena retornar pra Nantes para passar a noite da segunda pra terça. Partimos de Nantes na segunda eu, Tati, Igor, Ricardo e Thiago rumo ao norte por volta das 10 da manhã. Comigo de co-piloto, nenhum problema grave aconteceu! =D Começamos a se aproximar da ilhota por volta das 13h, depois de uma parada para um lanche.

O Mont Saint-Michel é uma ilha localizada entre a Normandia e a Bretanha, acessivel apenas por uma faixa estreita de terra, que fica parcialmente coberta de agua durante a maré alta. No dia em que visitamos o monte, a maré alta so viria às 20h, horario no qual estariamos ja na estrada. Assim, perdemos essa parte, mas ainda assim a exploração do monte foi interessante.

Logo na entrada, tu te sentes numa vila medieval. Ruas estreitas e casebres apertados que abrigam lojas de quinquilharias de todo o tipo circundam a base da ilha. Ali é possivel comprar de tudo, desde réplicas da Tavola Redonda até o Um Anel de Sauron.

A abadia dos monges se encontra no topo, e é preciso subir infinitas escadarias até la. Chegamos la bem em tempo de se infiltrar numa visita guiada, que era gratuita, felizmente. Foi uma das melhores visitas guiadas que ja vi. O cara que apresentava parecia um misto de monge e mendigo, mas conhecia incrivelmente bem a historia do lugar. Visitamos os patios privados da abadia, ouvimos as historias de como os monges sobreviviam, do papel do Mont Saint Michel ao longo da historia, etc… bastante didatico.

Retornamos do Mont por volta das 18h, rumo a Nantes para dormir e no dia seguinte rumar ao Sul, em direção de La Rochelle. Nesta viagem, o Thiago foi substituido pela Ju. E la fomos nos rumo à cidade que eu chamaria de ‘Mônaco’ do Atlântico! A gente também teve sorte… apesar de fazer -5 pela manhã, um sol muito bonito apareceu de tarde, o que possibilitou um passeio bem agradavel pela cidade.

La Rochelle é uma praia da costa atlântica da França, que possui um belo cais onde ficam estacionados varios iates e lanchas. No entanto, a aparência da cidade é bem antiga, notavelmente pelas suas três torres que faziam parte da muralha que circundava a cidade. As torres são a Torre da Lanterna, Torre da Corrente e Torre St. Nicolas.

Visitar as torres significou subir mais e mais escadas ainda (essa foi a viagem de subir escadas, aguardem pelo Vaticano). A primeira torre foi a Torre da Lanterna, que é a mais alta, eu acho. Do topo dela, era possivel ter uma vista bem legal do Atlântico e da cidade. Essa torre era o antigo farol da cidade. Andando ao longo da muralha se chega à torre da corrente, que é a menor das três. Essa foi a menos interessante, eles montaram uma espécie de museu na torre, logo, não tinha nada interessante como prisões e salas antigas pra ver. Finalmente, a torre St. Nicolas, que guarda a entrada do ancoradouro, foi pra mim a mais interessante. Pra começar, essa torre é torta, o que é perfeitamente perceptivel de dentro da torre. Essa torre junto com a da corrente servia pra proteger a entrada de navios inimigos na baia, com o auxilio de uma imensa corrente ligando as duas torres.

Voltamos de La Rochelle no final da tarde, apos dar uma caminhada no centro da cidade, que é bem bonito também. Devolvemos o carro na locadora e começamos a nos preparar para a segunda parte da viagem: Italia!

Anúncios




Nantes

12 03 2010

Finalmente cheguei à viagem das férias de inverno. As férias de inverno vieram logo em seguida ao estagio, começando no dia 13 de fevereiro e indo até o dia 21. Minha ideia a principio era fazer uma viagem curta pra dar uma descansada alguns dias em casa. Porém, apos varias propostas e nada das viagens serem garantidas, e o fato de que as férias de Lille não estavam batendo com as férias de outras écoles, acabei decidindo por uma viagem bem mais longa que o esperado.

Acabei acertando de me juntar a Tati e ao Igor (namorado dela, que esta em Nantes) e, partindo de Nantes, alugar um carro para ir até o Mont Saint-Michel e La Rochelle (junto com Ricardo, Thiago e Ju) e depois ir de avião até Roma (com o Roger, a Bruna e o Thiago, e pra encontrar ainda depois o Jeferson, o Joia, o Liba e a Thais). Por fim, uma passada por Pisa para conferir a torre e voltar para Paris. Excelente roteiro!

Parti para Nantes no domingo, às 9 da manhã. O trem so chegou la pelas 14h, apos fazer um trajeto bizarro que passava pelos aeroportos Charles de Gaulle e Orly. Chegando la, encontrei a Tati e o Igor, e fomos até a residência onde o Igor mora, que é do lado da Centrale Nantes. Deixamos as bagagens la e nos juntamos ao Flavio e sua namorada para procurar algo para almoçar no centro.

Segundo os locais, aquele era um dia raro em Nantes: o tempo estava bem bonito, um sol agradavel para uma temperatura perto dos zero graus (pela manha, fizera -7). Fizemos uma caminhada pelo centro e pela Île de Nantes, que fica no Rio Loire, maior rio da França. Como Nantes fica perto do litoral, não deixa de ter os ventos fortes caracteristicos que baixam a sensação térmica la embaixo.

Passei pelo Elefante de Nantes, do qual nunca havia ouvido falar mas que faz um certo sucesso naquelas bandas. O Elefante, que é uma das maquinas da ilha de Nantes, costuma jogar agua nas pessoas durante o verão: felizmente, essa opção estava desligada aquele dia. E possivel fazer o passeio no elefante e ter uma vista legal da cidade, mas não parecia algo muito sagaz, uma vez que a maquina andava a uns 2 km/h.

Continuamos indo até o Castelo do Duque da Bretanha, um castelo encrustado no meio da cidade com direito a fosso e tudo o mais. Não pesquisei a historia do castelo, mas parece que era o castelo mais importante da Bretanha enquanto Nantes fazia parte da Bretanha… hoje, Nantes esta no Pays de la Loire, que fica logo ao sul da Bretanha.

O dia terminou no cinema no centro de Nantes, onde encontrei os demais brasileiros que estão na Centrale de la: Ju, Patricia, Thiago e Adrian. Assistimos o filme “In the air”, que nem era tão interessante assim. E a ultima vez que eu tinha ido à um cinema foi pra ver Cruzada, no longinquo 2005. Em seguida, voltamos para a Ecole, no não tão rapido tram de Nantes: os bondes se movem muito devagar, e as linhas possuem muitas paradas.

Fiquei hospedado na casa do Vladimir, um russo que foi meu colega no Cavilam, em Vichy. O Vladimir é uma baita figura, ja esta praticamente convertido a brasileiro, e é preciso cuidar com o que se diz em português perto dele, porque ele entende! Bom, para a proxima postagem, ficam nossas viagens de carro, que foram para Mont Saint Michel e La Rochelle. Ah, e as fotos que eu estava devendo ja estão no Picasa, para acessar é so ir como sempre no menu Fotos. Bom, até a proxima!