Boas festas e até 2010!

20 12 2009

Essa sera a ultima postagem do ano! Amanha, estou começando minha viagem de Natal, com o Luciano e o Micael (que estao na EC Paris) e o Proença e uma amiga dele (que estao na EC Marseille). Nosso roteiro prevê onze dias de viagens, muito frio e aproximadamente 3000 km em trem, atraves de Heidelberg (21 a 23 de dezembro), Colonia (23 e 24), Berlim (24 a 26), Munique (26 a 28), Zurique (28 e 29), Lucerna (29 a 31) e Berna (31 e 1 de janeiro). A viagem so passa por cidades onde se fala alemao, ou seja, vai ser tenso recuperar o inglês depois de seis meses falando praticamente apenas francês.

Nesta semana, estive numa baita correria aqui em Lille. Correria para aprender conceitos de Gestao e Mecanique des Mecanismes de ultima hora, para as provas de sexta feira. Acredito que eu tenha ido bem em Gestao (com certeza melhor do que o esperado) e talvez consiga um 7 em Mécanique (que é a média pra nao precisar de recuperacao, sobre 20).

O fato mais marcante da semana, no entanto, foi a chegada da neve! Quarta feira ela veio fraquinha, apenas alguns flocos na hora do almoço que logo derreteram. Na quinta, por volta do meio dia, foi mais forte: ela foi suficiente pra cobrir o chao de branco, mas os pés ainda nao afundavam, e a grama logo absorvia os flocos. Porém, na madrugada de quinta pra sexta, nevou bastante, e ja foi possivel fazer guerras na neve. Hoje ocorreu a nevasca mais forte até agora, dez centimetros, suficiente para montar bonecos de neve e para haver a necessidade de carros da prefeitura espalharem sal pelas ruas (para derreter a neve).

Aqui em Lille, dos G1, sobraram apenas eu e o Yuri. Na sexta, foi bem estranho o clima de despedidas entre cada um, ja que cada um tomou um rumo diferente para as férias de fim de ano. Agora revejo o pessoal apenas daqui uns 15 dias. Como estavamos apenas eu e o Yuri aqui na Ecole, fomos no IKEA fazer compras para a casa (algo que eu ja devia ter feito a algum tempo). Na volta, presenciei a coisa mais bizonha que ja vi aqui na França. Ao pararmos na estaçao Bois Blancs, um sujeito arabe passa correndo pelo lado de fora do metro e arremessa um tijolo de neve contra o Yuri. Por sorte, a porta fechou na hora e desviou/quebrou o projétil de neve, que acertou em partes o colega. Mas o canto do vagao onde estavamos ficou todo sujo de neve e sal.

Buenas, preciso arrumar minha mochila para a viagem. Desejo boas festas, um otimo Natal e um Feliz Ano Novo a todos! Até 2010!





Paris em Dezembro II

13 12 2009

Ontem, fui pela segunda vez no mês para Paris. O motivo, desta vez, era participar das comemorações dos 10 anos da Bolsa Eiffel, que nos sustenta aqui no Velho Mundo. O evento prometia ser muito chique: recebemos convites, passagens e hospedagem num hotel não muito barato dentro de Paris. Por outro lado, era exigido ir bem vestido: nada de jeans ou tênis, a ideia era ir de terno, gravata e sobretudo! Afinal, o evento foi dividido em duas partes, uma no primeiro andar da Torre Eiffel e outra no Ministério de Relações Exteriores. Mas vamos por partes:

Parti sozinho de Lille na manhã de ontem, ja que eu era o unico daqui que iria para os dois eventos. Como a parte inicial, na torre, começava mais cedo, tive que ir ainda pela manha para Paris. Chegando la, metrô até o hotel, onde seriamos buscados de ônibus pela Egide. Chegando no hotel, descobri que não muitos brasileiros tinham sido convidados para ir na torre: apenas eu (Lille), Foppa e Alessandra (Marseille), Isabela (Paris), Guilherme(Grenoble) e a Miriam (Troyes). Quando o ônibus chegou, faomos para a Torre Eiffel, todos vestidos formalmente.

Na torre, fomos recebidos por uma equipe da Egide, que nos deu crachas e tickets para subir no elevador da torre. Depois de furarmos a fila do elevador (era muito profissional o negocio, a gente tinha prioridade em tudo), subimos para o primeiro andar e entramos na sala Gustave Eiffel, sala em homenagem ao projetista da torre Eiffel e da Estatua da Liberdade. A sala é uma espécie de anfiteatro, com uma vista excelente do norte/nordeste de Paris. Ali nos receberam algumas pessoas importantes do ministério e da Egide, e representantes de algumas universidades também. Apos algumas fotos, fomos para o evento em si.

Foi uma hora sonifera: discursos e discursos sobre a historia da Torre Eiffel, a historia da bolsa Eiffel, falaram muito da nossa importância para o governo francês, etc… ex-bolsistas deram discursos de como a bolsa foi importante na vida deles. Apos os discursos, fizemos uma pré-bouffe ali mesmo: café, chocolate quente, cha, suco, biscoitos e doces, até porque ja era perto das cinco da tarde. Em seguida, fomos para o Ministério de Relaçoes Exteriores, onde rumores diziam que o Ministro finalmente apareceria.

La no Ministério, que fica no Quai d’Orsay, às margens do Sena, encontramos os demais eiffelianos das outras écoles. Revi todo o pessoal de Nantes, Lyon, Marseille e Paris que estava em Vichy! Depois entramos no Ministério, que por dentro é quase um museu: arquitetura belissima, lustres e esculturas muito belos. Depois das fotos, finalmente o ministro chegou. Bem “estrelinha” o ministro: chegou, deu seu discurso de 15 minutos e foi embora, nem ficou para o coquetel nem para tirar algumas fotos ao menos. Em seguida, começou o coquetel, que tinha bebidas e salgadinhos (nao foi tao bem organizado, a comida acabou bem rapido). Havia mais ou menos umas 400 pessoas la, umas 5 vezes mais do que na Torre Eiffel.

Quando acabou o evento, por volta das 9 da noite, fomos para o Arco do Triunfo passando pela ponte Alexandre III e pelos Grand e Petit Palais. A partir dai, o pessoal começou a se dispersar, entre aqueles que iam pro hotel, iam jantar, iam pra festa, iam pro bar e indecisos. Acabei jantando num Quick na Champs-Elysées e indo pro hotel por volta da meia noite. Fazia muito frio a essa altura da noite. Alias, frio que promete aumentar bastante nesta semana, com direito a temperaturas negativas e chance de neve.

Semana que vem, para onde irei novamente? Paris! Mas desta vez, apenas para pegar o trem rumo à Mannheim, que sera minha entrada na Alemanha, para as férias de Natal. Por enquanto, tenho que continuar estudando para as provas de Gestão e Mecânica, que acontecem em menos de uma semana.





Paris em Dezembro I

8 12 2009

Ola! Fazia tempo que não falava de viagens no blog. Entao, antes que ele comece a virar um diario, vamos fazer uma pequena perspectiva para este mês de dezmbro, que promete ser muito corrido: o mês começou com o aniversario do meu irmao, no dia 3, a viagem à Paris com o Club Time, no dia 5, trabalhos para fazer e muita coisa do projeto durante essas duas proximas semanas, Journée Internacionale no dia 10, Paris novamente nos dias 11 e 12 para o evento da Egide. Semana corrida em seguida para as duas provas, Gestao e Mecânica dos Mecanismos, ambas no dia 18. E três dias depois, partir para a viagem de fim de ano, de dez dias, rumo à Alemanha e Suiça. Natal e Ano Novo fora de casa, para retornar apenas no dia 1° (ou 2).

Mas entao, sobre a viagem para Paris que fiz no ultimo dia 5: era pra ser uma viagem para ver Paris na época do Natal… logo deu pra descobrir que não vale tanto à pena: Paris é MUITO movimentada, em um sabado proximo ao Natal. A chuva também não ajudou. Bem, começamos explorando o 4ème, onde se encontram A Bastilha, a casa de Victor Hugo, o Musée Carnavalet e a Place des Vosges, locais muito agradaveis. O Musée Carnavalet é um museu que conta a historia de Paris, bastante interessante. A casa de Victor Hugo é sem graça, mas vale pela escultura de Rodin. A Place des Vosges merece um destaque: praça muito agradavel, com um monumento à Luis XIII no centro da mesma. Isso tudo vimos pela manha, ja que estavamos com pressa para ir ao Musée d’Orsay pela tarde…

… E ai começam os problemas: a França, como diz a Mme. Catsiapis, é o pais das greves: o Musée d’Orsay estava fechado à cause de uma greve que começou esta semana, fechando também outros museus nacionais na capital. Bom, sem Orsay no roteiro, cada um começou a sugerir coisas diferentes e o pessoal se dispersou. Depois de almoçar, fomos para os Invalides, perto da Champs-Elysées, no 7ème. Eu e um francês iriamos visitar o museu dos Invalides enquanto o maior grupo iria para o Petit Palais (alguns ficaram vagando ainda por Paris, enquanto um grupo menor foi ao Palais de la Decouverte). O Musée de l’Armée, nos Invalides, foi a melhor parte da viagem! Infelizmente, visitei apenas duas seções, algo em torno de 15% do museu, pois ele é gigantesco! Fui na minha preferida primeiro, a seçao medieval/moderna: o acervo do museu contém armaduras e espadas que pertenceram a bastante gente importante da monarquia francesa. O museu ainda reproduz, em alguns manequins, como seria uma pessoa (cavalos, inclusive), portando as peças. As armas também eram incriveis: nunca tinha visto tantas lanças, piques, machados, alabardas, falconetes, bombardas, canhões, fuzis, arcabuzes, mosquetes, bestas, balistas, e trabucos juntos. So não encontrei um arco inglês la… acho que os franceses não deviam gostar muito à ponto de os expor… a outra parte do museu que visitei foi a tumba de Napoleão, na Eglise dos Invalides. O luxo la é muito grande, o tumulo de Napoleao é uma arca gigantesca, de madeira. A igreja é muito alta, e tem o teto todo decorado. Acho que a imponência do lugar representa bem a importância que Napoleão teve para a França.

Em seguida, pegamos o mêtro para conhecer a Opéra Garnier e as Galeries Lafayette, no 9ème. não foi uma boa idéia: a chuva começou, e o movimento perto das Galeries para ver um punhado de vitrines sem graça estava tenso. Chamei a Catsiapis, que no momento estava voltando do Montmartre (18ème) para me buscar por ali. Quando encontrei eles (e foi complicado também, a essa altura o francês tinha ido fazer compras e ia nos encontrar depois), fiquei sabendo que não teve visita ao Petit Palais. Acho que acabei tomando uma boa decisão mais cedo.

Proximo passo, aux Champs-Elysées: 40 minutos de ônibus para andar uns 3 km entre a opera e o McDonalds proximo ao arco do triunfo. Agora eu estava tentando localizar o Luciano, que mora em Paris, para me encontrar no Arco para acertar detalhes da viagem de final de ano (aquela para a Alemanha). Por volta das 7 da noite, nos achamos proximos ao arco, mas a partida seria às 7h15 para a Torre Eiffel. Eis que a Catsiapis muda novamente de planos, e deixa perdidos em Paris um outro pessoal que tinha se juntado na Ecole Militaire, proximo à Torre Eiffel, no horario combinado. Com a mudança de planos, deu tempo tranquilo para jantar no McDonalds da Champs-Elysées. Entretanto, não descemos na Torre Eiffel e nem a vimos piscar, ja que ja tinha passado das 9 da noite e precisavamos retornar a Villeneuve-D’Ascq.