Heidelberg e Colônia

10 01 2010

Primeira parte da viagem do Natal (de cinco), falarei sobre as cidades de Heidelberg e Colônia, as duas primeiras no roteiro de 11 dias de viagem das férias de fim de ano. A viagem começou mal: na compra dos passes que permitiriam viajar de trem ilimitadamente por 8 dias, acabei deixando o meu com o Luciano, o que me custou uns 20€, pois eu precisava ir para Paris. Bem, mas voltando à viagem, essa historia pode ser contada em mais de um ponto de vista:

Eu parti de Lille às 10h do dia 21 de dezembro, para chegar em Paris às 11h (Gare du Nord). Infelizmente, todos os trens naquele dia estavam com atrasos acumulados, devido às nevascas dos dois dias anteriores. Eis que chego na Gare du Nord às 11h30, e o trem para Mannheim saia às 13h10. Correndo para a Gare de l’Est, na direção errada, chego la por volta de 11h50 (normalmente seriam uns 7 minutos) e encontro o Luciano e o Micael, que vinham da sua école e esperavam na Gare havia algum tempo. Passes validados, embarcamos para Mannheim (40 minutos de atraso, excelente trem).

Do outro lado da França, o Matheus e a Bruna deviam chegar em Mannheim também (Mannheim fica a 15 minutos de Heidelberg, e não tem trem que va diretamente de Paris para Heidelberg, então o objetivo era chegar em Mannheim). Saindo ao meio dia de Marseille, eles deviam chegar em Paris por volta das 15h, e em Mannheim por volta das 19h. Graças à nevasca, o trem Paris-Mannheim do horario deles fora cancelado. Sobrou um trem que ia para Sttutgart, com parada em Karlsruhe, para de la pegar uma conexão à Mannheim.

Enquanto eles faziam essa manobra, chegavamos em Heidelberg apos descer na gare que ficava a 4 km do albergue a pé. De mapa e lanterna na mão (ja era 18h, ou seja, escurecera havia 1h30), chegamos no local apos caminhar toda a Hauptstraße, uma rua cheia de lojas e marchés de Noël, bastante movimentada. Apos largarmos as coisas no albergue (esse albergue era unico, tu pagava os quartos num lugar, voltava pra rua, caminhava duzentos metros, e chegava no quarto de verdade), procuramos algo para comer no centro, e so fomos encontrar o Proença e a Bruna às 22h, quando chegaram ensopados pelo misto de chuva e neve que precipitara durante aquela noite.

No dia seguinte, fomos conhecer a cidade. Primeira parada, Schloss, o castelo de Heidelberg, um castelo em ruinas muito bonito que fornece uma visão privilegiada do vale do Neckar. O plano de fundo com a neve tornava a paisagem mais agradavel, embora a chuva tenha sido uma inimiga. Voltando ao nivel inferior da cidade, pelo funicular que pegamos na subida, achamos um excelente e barato restaurante italiano para almoçar. Apos o almoço, fomos dar uma caminhada do outro lado do rio, onde iriamos ter uma boa vista do castelo caso seguissemos o caminho dos filosofos (Philosophenweg), que é uma subida bem puxada até um jardim onde se encontra um memorial à Joseph von Eichendorff, escritor alemão. Depois, com o crepusculo ja chegando, voltamos para caminhar no centro velho da cidade e explorar um pouco as igrejas, a St Esprit (Heiliggeistkirche), que é a maior igreja da cidade e a Jesuitenkirche, uma igreja jesuita do século XVIII.

No dia seguinte, partimos para o norte, em direçao à Colônia (segundo o Luciano, ele estava voltando pra casa :D ). A viagem, de apenas duas horas, correu sem contratempos, apesar da volta para Mannheim (nenhum trem importante sai de ou chega em Heidelberg). Colônia é uma cidade maior, com quase um milhão de habitantes, e tem uma rede de trams e metrôs excelente! Em Colônia, no entanto, passei um frio imenso: apesar da temperatura de -2°C não ser tão absurdamente fria, a cidade parecia não absorver o calor que o Sol proporcionava (e nem estava tão nublado aquele dia).

Em Colônia, visitamos a Catedral, que com certeza é o principal ponto de visita da cidade. A Catedral é estupidamente gigante. Em 1164, Barbarossa teria dado à catedral as reliquias dos Reis Magos, o que fez a catedral (e a cidade, por tabela) prosperar e atrair milhares de peregrinos. As reliquias estariam contidos numa caixa (que parece ser de ouro mesmo) que fica exposta atras do altar da catedral. Depois da catedral, não havia muito a fazer na cidade. Caminhamos pelos mercados de Noel, que estavam ebulindo na véspera da véspera do Natal, e também passamos pela frente de algumas igrejas romanas, as quais eu não lembro o nome, pois é uma quantidade consideravel.

Em seguida, nos dirigimos ao Koln Triangle, uma torre de 28 andares de onde é possivel ter uma vista muito legal da cidade (com o pôr do Sol, ficou mais legal ainda). Para chegar la, foi preciso atravessar uma ponte curiosa sobre o Rio Reno: a ponte tinha no seu parapeito milhares de cadeados, nos quais eram gravados nomes de casais. Segundo a tradiçao, como em um relacionamento, as pontes conectam duas partes. E o cadeado seria um simbolo de comprometimento. Com o frio noturno chegando, restou se recolher a um Starbucks pela tardinha e depois em um bar irlandês pela noite. E no dia seguinte, partir para Berlim, onde iriamos realmente ter bastante coisa a ver! Berlim merece uma postagem apenas para si, então, até a proxima!

P.S.: fotos no Picasa, como sempre.

Anúncios

Ações

Informação

2 responses

11 01 2010
dartagna

Fala colorado! Como estás? Já virou picolé? Com esse sobretudo do teu pai, nem que a vaca tussa vira picolé? Pelo jeito está frio aí, né? Porque não tira mais fotos só de camiseta e sim de sobretudo, toca e luva, mas deixa pra lá que deve ser um inverninho de nada esse daí? Estávamos com saudades de ti, pois a tua dinda e eu estamos sempre comentando quando aparece alguma coisa do velho continente na televisão?
E as fotos que lindas? Mas fala pro teu amigo cabeludo que vai gostar de passar frio aí na Alemanha com este casaco horrivel deste time que não tem tradição!
Por hoje é só que vou trabalhar um pouco, senão vou ficar maluco com este calor daqui. Agora fazem +ou- 32º.C
Abraço e sucesso pra ti e boa sorte nas provas que vierem, saibas que tem capacidade e inteligência pra superá-las? Abraço de um gremista realista e quase fanático!

13 01 2010
Arthur

Cara, que saudades da Europa. Aproveite ao máximo, como parece que tem feito (:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: