Bruges

5 11 2009

Chegamos à Bruges por volta das 10 da noite da segunda-feira, voltando para território onde não se falava francês. Logo, estávamos novamente imersos no holandês, e deveríamos achar o albergue onde ficaríamos àquela hora da noite. Após comprar o mapa na gare (50 centavos), encontramos sem muitos problemas o albergue a mais ou menos um quilômetro da estação. Chegando ao albergue, largamos nossas coisas e fomos comer fritas belgas em algum lugar ali perto. Já era algo perto da meia noite, e a cidade estava morta. As pequenas ruas e ruelas não tinham uma viva alma nelas: apenas víamos sinal de vida pelas janelas, que eram bem na calçada, de onde dava pra ver por algumas luzes que havia pessoas acordadas la dentro.

O albergue foi o pior dos quatro pelos quais passei na viagem: o atendente era um cara que se achava engraçado (lamentável) e ficou incomodando sugerindo locais para fazer festa de noite. Chegando ao quarto, havia um cara que não soltou uma palavra durante toda a estadia. Ninguém sabe de onde veio, o que fazia ali, nada. De madrugada, a Bruna foi acordada por uma guria que estava no quarto também: segundo a Bruna, a guria era tão estranha quanto o outro cidadão. Mas voltando ao albergue, o banho era ruim, o colchão era desconfortável, os hospedes faziam bastante barulho e o quarto era tão pequeno que mal havia espaço para colocar as malas em algum lugar.

Bem, vamos à cidade propriamente dita: como já era rotina, fomos até a gare largar nossa bagagem nos armários disponibilizados la: estes armários são a coisa mais útil nas estações aqui da Europa: grandes espaços por apenas 3€ o dia (cabia sempre as mochilas dos três). Partindo da Gare, caminhamos pelas ruas estreitas e medievais de Bruges: quando se esta em Bruges, a sensação que se obtém é que voltamos alguns séculos no tempo. As casas são, na sua maioria, de tijolos toscos à vista (típico da arquitetura belga), que dão uma impressão incrível de antiguidade. Ao caminhar pelas ruas, fomos parando nas igrejas que encontramos no meio do caminho, incluindo uma que contém uma escultura de Michelangelo e outra que contém segundo dizem, um frasco com sangue de Cristo. Prefiro acreditar que a escultura era genuinamente de Michelangelo.

Conhecemos a Grand Place, que é mais ou menos o centro da cidade: magnífica, incluindo um museu cuja torre fica a trezentos e poucos degraus de altura. Não subimos a torre, mas dava para perceber que ela estava torta: de fato, o topo da torre está deslocado um metro e meio da posição correta. Visitamos também, obviamente, as lojas de chocolates, uma das especialidades belgas. Comprei uma caixa de 375g de chocolate de Bruges que ainda não terminei de comer. Tivemos ainda que ir, claro, no Museu do Chocolate, um belo museu que conta a historia da especiaria desde os tempos dos maias e astecas até a época de produção em massa do chocolate.

Bruges é também uma cidade com vários canais, ao estilo de Amsterdam. Fiz um passeio de barco, de meia hora, pelos canais, obtendo uma vista bem legal da cidade. O condutor da embarcação era um cara bem simpático, apesar das piadas meio sem graça que ele provavelmente faz a toda viagem (como a casa de 1 250 000 € que ele jura que não é dele e do dia no qual caiaques podem navegar pelos canais e que, segundo ele, os barqueiros fazem competição de quem derruba mais caiaques). Após o passeio de barco, não havia muito mais a ver em Bruges, que é uma cidade bem pequena, mas muito acolhedora. Pegamos um trem mais cedo, para chegar um pouco antes em Bruxelas, nossa ultima etapa. A esta altura, eu já queria esticar de uma vez para Lille, para chegar à minha casa.

Continua…

Anúncios

Ações

Informação

4 responses

5 11 2009
Cassol

Aparentemente, os belgas que tu conheceste gostam de piadas sem graça? O único belga que eu conheço só fala coisas inteligentes…

5 11 2009
Bruno

Tu conhece uma exceçao entao: belgas estao para os franceses assim como os portugueses estao para os brasileiros.

5 11 2009
Cassol

Eu sei, meu professor de francês não cansava de fazer piadas com belgas… :P

6 11 2009
dartagna

Não vai engordar muito em colorado? Vê se come por nós estes chocolates divinamente magnificos, maravilhosos e não esquece de mandar pelo menos um papelzinho pra nós aqui do Brasil? Abraço que já está na minha hora de dar TCHAU!!! ABRAÇO e vê se tira o MSN do celular senão não conseguimos falar contigo?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: